Impérios


As festas em honra do Divino Espírito Santo na Terra Chã são acontecimentos populares e implicam necessariamente falar da origem dos Impérios. A grande religiosidade de um povo como o nosso, inspira frequentemente diversos actos que, por serem únicos, passam à história e se tornam práticas colectivas, como é o caso destes festejos. A sua origem remonta ao tempo da Rainha Santa Isabel, esposa de D. Dinis, Rei de Portugal. Tal como conta a história, a Rainha era de uma bondade impressionante, reunia pobres à sua mesa e, em gesto de humildade, colocava sobre as suas cabeças a coroa real. Este gesto tão espantoso deu brado, chegando até nós transportado na mente dos nossos antepassados. A transformação de tal acto humano num de índole divina aconteceu na Ilha Terceira e nos Açores em geral, não se sabe como nem quando. O certo, porém, é que tomou tamanha dimensão entre o povo que este para poder realizar a sua acção caritativa, formou as Juntas que se encarregavam de proceder à recolha de bens para os distrbuir depois. Assim nasceram os Impérios de caridade dedicados ao Divino Espírito Santo, que vieram a espalhar-se por todas as freguesias. Na Terra Chã o mais antigo é o do Terreiro à data de 1861. A família dos Corvelos deixou um legado a este Império com o fim de serem dadas, anualmente, esmolas de pão e de carne a pobres, hospitais e asilos, na Festa do Espírito Santo. Este Império promove as suas festas no Domingo do Pentecostes (festas do primeiro bodo) e no Domingo da Trindade (festas do Bodo da Trindade). O Império da Canada de Belém e o Império da Boa Hora construíram-se em 1958, embora já funcionassem anteriormente, no início deste século, com estruturas desmontáveis, em madeira. As festas do Império da Canada de Belém realizam-se no 5º Domingo de Páscoa, precisamente na segunda semana antes da festa do primeiro Bodo. Na Boa-Hora as festas do império acontecem tradicionalmente no segundo domingo a seguir ao Bodo da Trindade. Bem mais recentemente, em 1993, foi construído o Império do Bairro Habitacional que realiza as suas festas a meados do mês de Julho é a seguir à Festa de N.ª Sr.ª do Carmo. 


(Terra Chã - Roteiro cultural, 1999)